Por que não uso o asterisco

O termo trans* com asterisco surgiu da necessidade de se incluir diversas experiências não-cis e para combater um pouco a multipilicidade de entendimentos do que seria transexual, transgênero e outros milhares de termos.

Entretanto, não acho essa distinção necessária. De certa forma, vejo um pouco como a sigla LGBT, supostamente inclusiva mas usada para falar apenas de homens gays na maioria do tempo. Não adianta colocar asterisco se você não fala dessas experiências trans não-binárias e de outras formas de não-cisgeneridade que fujam à narrativa universal.

Além disso, sou preguiçosa e escrever o asterisco dá mais trabalho do que seu uso justificaria. Dá para entender trans como transexual e como transgênero. Dá para ver diversas narrativas de não-cisgeneridade como transgeneridade e essa já é a posição de muita gente.

Apesar de entender que o asterisco também é uma forma de lutar contra a higienização e hierarquização de narrativas não-cis (“crossdressers são homens, travestis são os dois e transexuais são os que são realmente mulheres ou homens de verdade”), não acho que a contribuição dele para esse fim justifique seu uso mais do que realmente abordarmos e extinguirmos essas higienizações dos nossos discursos.

Além disso, usar o asterisco traz o problema de termos também de definir quem está dentro dele. Uma mulher lésbica bastante masculina conta como trans*? Crossdressers são trans*? E pessoas que quebram a cisnorma apenas num contexto de obter satisfação sexual? E não-cisgeneridades performáticas como drag queens e kings?

A partir do momento em que o termo trans* inclui todas elas e você fala sobre como o nome social é importante para pessoas trans*, isso virou apenas um teatro de inclusividade equivalente a usar LGBT para falar das prioridades gays.

Prefiro evitar esse risco. Dentro do transfeminismo existe espaço para a análise de todas essas narrativas que se encaixam dentro do termo trans* e luta-se contra a higienização e glorificação da narrativa médica transexual como a única (ou a mais) válida. Apenas não acho que o asterisco ajude isso mais do que o que falamos, como falamos, para quem falamos e quem está falando.

Nota: isso são considerações e motivações pessoais minhas e não uma crítica a quem quer que seja que usa o asterisco.

Anúncios

Uma opinião sobre “Por que não uso o asterisco

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s