Rápidas Observações Sobre Vocabulários Generificados

Tendo iniciado minha transição apenas após o início da vida adulta, uma das coisas que me surpreendeu na minha experiência de viver no mundo como mulher tem a ver com a linguagem.

Mesmo tendo passado a vida inteira interagindo quase exclusivamente com mulheres, inclusive na minha vida familiar, passar a viver como uma delas abriu meus olhos para todo um novo mundo linguístico único, generificado e bastante amplo. O que me assusta, entretanto, é que tipo de espaço linguístico é esse compartilhado por mulheres: o da beleza.

Tipos de cabelo, de perna, de braço, de barriga, de gordura, de pele, de mancha, de pinta, de cheiro, de textura, de cor. Uma infinitude semântica expressiva, usada toda com apenas um propósito: policiamento de corpos. Milhares de formas de descrever a experiência sensorial de corpos e todas elas usadas no esqueleto frasal “como lidar com”, “como evitar”, “como arrumar”. Como, afinal, não ser como você é.

Minha socialização certamente não foi igual a da maioria das pessoas e foi bastante fora da média (e isso vai muito além de gênero). Não sei até que ponto esse meu susto pode ser atribuído a socialização masculina ou a outro aspecto aberrante da minha formação ou a condições psicológicas antecedentes ou mesmo a mera coincidência. Mas a forma como esse tipo de vocabulário nunca me foi ensinado ou cobrado socialmente antes de assumir uma posição social de mulher me parece terrivelmente suspeito.

Como sempre, os comentários estão abertos para pessoas que queiram dividir suas experiências (sejam elas masculinas, femininas ou não-binárias, sejam elas cis ou trans). Tenho uma curiosidade especial em saber se outras pessoas trans tiveram experiências parecidas no campo da linguagem e se minha interpretação disso como relacionado a gênero está ou não correta.

Feminismo radical e Feminismo trans

Originalmente planejava escrever algo sobre a hipocrisia e desonestidade intelectual de feministas radicais transfóbicas. Entretanto, não acho que dar mais holofotes para uma minoria odiosa (ainda que vocal) seja uma estratégia efetiva. Minha luta é contra o patriarcado, não contra mulheres machistas. Minha luta é contra a cisnorma, não contra pessoas trans que aderem a ela numa tentativa desesperada de sobreviver em um mundo que as odeia.

Ainda que seja importante lutar por mudanças internas dentro das nossas “comunidades” (seja ela a trans, a feminista ou a feminina), minhas prioridades estão bem claras. E pensando nisso quero falar sobre o que o feminismo em geral e o feminismo trans especificamente deve ao feminismo radical.

Não saberia nem como listar o quanto entender que o pessoal é político é importante para o feminismo como um todo. Especialmente quando aplicado a perspectiva trans em que a política se faz através dos nossos corpos de maneira intensa, invasiva e potencialmente coercitiva.

A forma de analisar as estruturas e discursos de poder que permeam o sexo (apesar de não necessariamente com todas suas nuances) é abraçada de forma quase unânime pelas transfeministas que eu pessoalmente conheço e leio. Não diria que inspiradas diretamente por feministas radicais, mas acho difícil acreditar que não tenham sido elas que plantaram a semente disso.

Acho especialmente hipócrita quando feministas radicais transfóbicas distorcem intencionalmente o debate sobre o cotton ceiling e acabam traindo seu próprio legado de analisar como a opressão pode permear as práticas sexuais.

Como um pequeno adendo sobre isso, visto que o assunto do cotton ceiling está em alta ultimamemente, preciso comentar que feministas radicais transfóbicas usam de técnicas de terror para silenciar o debate indesejado. Afirmar que não fazer sexo com mulheres trans seria transfobia é obviamente mentiroso e elas certamente sabem disso.

A questão é: cotton ceiling não tem relação com o Brasil. O movimento trans feminista brasileiro não tem articulação suficiente para sequer se unir politicamente em relação a casos pontuais do tipo. Existe transfobia no meio lésbico, obviamente, mas temos travestis garotas de programa negras morrendo a cada dia e os recursos são limitados. Qualquer debate sobre o assunto é puramente teórico e relacionado ao contexto maior em que corpos trans são ojerizados, genitalizados, objetificados e vistos intermitantemente como sexualmente predatórios e assexuados.

E a teoria é simples: não fale que mulheres trans são homens. Não fale que mulheres trans são automaticamente indesejáveis para lésbicas (isso não apenas é transfobia como também é um desrespeito a muitas mulheres lésbicas cis que gostam de — as vezes até preferem — mulheres trans). Não estereotipe mulheres trans (nem todas as mulheres trans tem pênis. nem todas sequer querem usar seu pênis se o tiverem. nem todas possuem “traços masculinos” e as que possuem não possuem os mesmos).

Tudo isso é sintoma de problemas sociais e opressões muito maiores. A questão da estereotipação, por exemplo, é algo que merece uma série de postagens por si só. E em nenhum momento essa reinvidicações mencionam alguma suposta obrigação de transar com mulheres trans. Pois ela não existe, é apenas parte das táticas de terror desonestas usadas por feministas transfóbicas.

Pessoas trans, mulheres trans em especial, são grupo de altíssimo riscos para estupro e violência sexual. Além do mais, não faria nem sentido uma mulher trans querer obrigar alguém que não sente atração pelo seu corpo a fazer sexo com ela. Muito pelo contrário, o efeito nocivo da cisnorma é tão forte que a maioria das pessoas trans, especialmente mulheres, vivem diariamente o dilema de se sentirem completamente indesejáveis para qualquer pessoa que não seja um homem cis fetichista e objetificador.

Ninguém se importa se você individualmente não gosta de pênis. Ninguém se importa se você individualmente não gosta de seios pequenos ou de seios siliconados. Ninguém se importa se você individualmente não gosta de pessoas altas. Ninguém se importa se você individualmente não gosta de mulheres que possivelmente tenham barba ou bigode.

Mas não fale que mulheres com essas características não são mulheres. Não exclua essas mulheres dos seus grupos. Não use a imagem dessas mulheres como símbolo para “coisa subhumana nojenta e abominável” e, principalmente, não fale que nossas reclamações sobre você fazer essas coisas tem qualquer relação com estupro.

Existe um mundo de diferença entre não se atrair por alguém e atacar essa pessoa.
(Minha lista de características potencialmente não-atrativas incluiu propositalmente características comuns em mulheres cis também).

Talvez escreva algo mais longo e mais detalhado sobre isso futuramente. Estou  omitindo a parte mais importante desse assunto (e que possivelmente é a que mais devemos ao feminismo radical) que é sobre como essas preferências e gostos sexuais são num nível não-individual e que estruturas de poder opressoras perpassam e moldam essas preferências individuais.

Finalmente, gostaria de falar sobre gênero. Feministas radicais advocam a abolição do gênero, o que é compatível com o pensamento de muitas transfeministas. Não apenas compatível como diretamente influenciado pelas nossas irmãs e precursoras radicais.

Há, entretanto, um jogo semântico enorme aí, que considero desonesto. Feministas transfóbicas propositalmente ignoram que na maioria das vezes que falamos de gênero estamos conceituando ele de forma diferente da conceituação feminista radical.

A visão de gênero dentro do transfeminismo é múltipla, tremendamente múltipla. Não dá para ignorar a multiplicidade de significados desse termo em cada dialeto intra-feminista e argumentar a partir do senso-comum.

E eu não consigo acreditar que feministas radicais transfóbicas não saibam disso. O objetivo obviamente não é criticar como a teórica X conceitua gênero e debater por que acha esse entendimento do termo errôneo. O objetivo é desumanizar e atacar pessoas trans se agarrando em qualquer justificativa teórica que pareça possível.

Demolição de gênero é uma pauta e luta de algumas transfeministas. “Identidade de gênero” e um sentimento inerente de pertencimento a um gênero são criticados dentro das comunidades trans, ESPECIALMENTE pelas ativistas e teóricas transfeministas brasileiras.

Reforçar estereótipos de gênero¹ é especialmente atacado por transfeministas. Pois somos nós, pessoas trans, que somos institucionalmente obrigadas a conformar a eles de uma forma que dificilmente afetaria a maioria das mulheres cis. Se encaixar em estereótipos de gênero não é pauta teórica e discussão metafísica para pessoas trans. É condição sine qua non para termos nossos corpos e identidades² respeitados, para termos acesso a tratamentos médicos, para não sermos assassinadas. Estereótipos de gênero são a única via para que possamos ter qualquer esperança de manter alguma integridade física e mental numa sociedade cisnormativa e patriarcal.

Vivemos constantemente dicotomizadas em papéis análogos ao santa/puta (que também afeta mulheres trans). Somos ou a “cilada” ou somos o “traveco patético”. E feministas radicais transfóbicas se aproveitam disso. Rejeite a cisnorma e estereótipos de gênero e somos na verdade “homens barbados que acham que vestir saia é ser mulher”. Aceite, por escolha ou coerção, a cisnorma e estereótipos de gênero e somos reforçadoras do patriarcado.

Se alguma feminista radical acha que aceitamos gênero cegamente, ela não está muito bem informada sobre a diversidade que existe dentre pessoas trans e dentre pessoas trans feministas. E isso é uma tática clássica de opressão. Homogeinizar um grupo diverso a partir de alguma característica foi uma ferramenta usada contra TODOS os grupos oprimidos que eu consigo pensar.

Feministas transfóbicas que usam gênero como forma de destilar seu discurso de ódio não estão fazendo nada novo, apenas usando as ferramentas patriarcais que já existiam e já nos oprimiam antes, buscando a teoria apenas para justificar isso. Torcer sua ideologia é uma estratégia comum contra grupos marginalizados. A ciência é usada para justificar o ódio. A religião é usada para justificar o ódio. Com o feminismo não poderia ser diferente.

Devemos muito ao feminismo radical. Algumas pessoas vocalmente opressoras e odiosas não mudam isso. Não mudam o fato de que nosso feminismo é o mesmo e que o diálogo entre feminismo trans e radical não é apenas possível como também é desejável. Discordâncias teóricas são inevitáveis e — não sei como enfatizar isso suficientemente — são boas.

“Mas qualquer discordância teórica é vista como transfobia”? Não deixe que as táticas de terror de algumas pessoas se tornem uma profecia autorrealizável. Tenha empatia e entenda que algumas dúvidas e discordâncias teóricas são usadas para nos atacar há décadas e temos tanto direito a reagir e nos auto-preservar diante disso quanto uma mulher cis tem direito de não aceitar um homem cis bem-intencionado (ainda que ignorante) que acha que pensão é uma opressão contra homens ou que apenas monstros estupram e são violentos contra mulheres.

Eu pretendo escrever mais sobre como algumas críticas são altamente carregadas e sinalizam quase imediatamente alguém que potencialmente nos atacará e como evitar isso na hora de debater futuramente, mas por enquanto, os comentários estão abertos.

1. Eu tenho milhares de críticas ao termo e ao conceito de “estereótipos de gênero”. Considero um conceito tremendamente raso e sem muita utilidade analítica. Uso ele aqui apenas for the sake of argument.
2. Não uso “identidade” da mesma forma que algumas pessoas entendem o termo. Quando uso ele aqui e em outros lugares é apenas pois não existe algum termo suficientemente bom para substituir e não por eu de alguma forma endossar políticas de identidade. Como já abordei em textos passados, acho irrelevante usar conceitos teóricos de identidade para o projeto de um feminismo trans-inclusivo, mas é um termo que vulgarmente é útil e preenche um vão semântico importante.